Memórias

Existem momentos em que a solidão e a companhia de um copo de vinho, neste caso branco, nos deixam a viajar pelas memórias.
Memórias que vem à superfície pela existência de estímulos sensoriais que no conjunto nos levam para um passado, me fazem uma recordação do passado.
Esta vista, um copo de vinho branco, uma noite fresca que lembra o verão, uma música ao longe, um banco de jardim vermelho onde não estou sentado… não é Bons Ares por um acaso…

Memórias boas de algo de que sinto falta e que simultaneamente magoa.
Dou por mim a pensar:
– Porque será que sou assim? Podia ser como tanta gente que guarda rancor e procura a vingança…

Em momentos como este penso que se fosse diferente estas memórias não trariam um vazio, uma vontade de viajar no tempo e ter feito algo diferente. Teria o vazio ocupado pelo rancor e esquemas de possíveis vinganças. Penso na música Pulp – Common People e como seria bom ser uma pessoa “comum”.

Mas não era eu. Não teria tido o prazer de dizer:
– Obrigado pelo privilégio que tive!

Também não teria a consciência da irrepetibilidade da possibilidade de voltar a conhecer alguém igual, mas, também, não teria a consciência de que existe a possibilidade de ser surpreendido.

Nos momentos que recordo não existiam rosas.

Chega de memórias, vou beber uma cerveja aditivada.

Sejam felizes.

2 thoughts on “Memórias

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s