Momentos em que nem o álcool ajuda

Aqui não resisto a escrever as seguintes linhas, uma vez que ninguém me ouve nem lê.

Existem momentos em que as jovens de voz irritante, nariz empinado, empertigadas, fúteis e muito giras me deixem completamente excitado e com vontade de descobrir se existe algo onde pegar além do corpinho sexy e da, aparente, falta de inteligência.

Existem carinhas e corpinhos tão lindos e excitantes que não tiveram sorte nenhuma com o cérebro que lhes calhou… uma pena.

Tão linda…
Sejam felizes.

Existem dias em que… (continuação)

É em momentos como este que convenço que este país minúsculo, territorialmente falando, é grande de mais, gigante, digo eu, tendo em conta a pequenez de atitude de muitos dos seus habitantes.

Como seria este país com as gentes que nos levaram além mar? Muito para além do conhecido?

Aposto que Portugal, nesses tempos idos, tinha muito menos território 😁
Sejam felizes!

Existem dias em que…

Estou eu a voltar para o carro, depois de almoçar, e pelo caminho mais longo, quando, ao passar junto dos antigos estaleiros navais de Vila do Conde, e vendo a nau, decidi tirar esta foto para por no facebook com a legenda:

Tem dias em que só me apetece mandar pessoas para aquele sítio ali.

Espero que entendam onde é o “ali”.

Mas como o acesso à nau estava aberto e tinha gente lá dentro, lá vou eu.

Mal ponho o por dentro da nau e digo “Boa tarde!” a uma pessoa que era o “guarda” do sítio, recebo como resposta:

– Ah! É português!…

Dito com algum desdém e por ter tido a ousadia de ter interrompido o seu discurso com um conhecido, por certo.

Fiquei logo com vontade de dizer:

– Vá pro caralho! Pode ser mesmo aquele ali na ponta do mastro!

Porra! Afinal onde estou?! Será que Vila do Conde agora fica noutro país que não Portugal ou serei eu que tenho aspecto de nativo australiano?!… Se calhar fui confundido com um pirata viking!… Tenho de começar a andar com um capacete com cornos para não me sentir tão indignado quando não me tratam como português na minha terra, Portugal.
Vou para a praia apanhar sol e ouvir o mar para me passar a neura.
Sejam felizes.

Banco de jardim

O que as memórias alegres tem de terrível é isso mesmo, serem memórias.

E este simples banco de jardim foi uma testemunha silenciosa de algumas que serão sempre memórias alegres e felizes… Falta a companhia da noite e de um copo de bons ares branco.

Obrigado!
Sejam felizes

Tempos modernos

Adoro esta sociedade de faz de conta.

Eles fazem de conta que gostam delas;

Elas fazem de conta que estão interessadas neles;

Eles e elas passam mais tempo a olhar o facebook, instagram…., de outros e riem juntos como se estivessem divertidos…

Bendito álcool!

Quando a lua dá lugar ao sol, o álcool passa e o desupertar desperta para a realidade tudo volta ao normal.

Lembram quem esqueceram e procuram quem deixaram… Pena a lua voltar a prevalecer sobre o sol e o álcool fazer das suas. Pena quem de dia esquece quem de noite procura. Pena quem se deixa encontrar por quem não procurou em primeiro. Pena…

E assim se vive nestes tempos modernos. Habituados a ser segundos com o álcool a ajudar a esquecer não ser primeiras escolhas…
Sejam felizes.

Tempos modernos

Adoro esta sociedade de faz de conta.

Eles fazem de conta que gostam delas;

Elas fazem de conta que estão interessadas neles;

Eles e elas passam mais tempo a olhar o facebook, instagram…., de outros e riem juntos como se estivessem divertidos…

Bendito álcool!

Quando a lua dá lugar ao sol, o álcool passa e o desupertar desperta para a realidade tudo volta ao normal.

Lembram quem esqueceram e procuram quem deixaram… Pena a lua voltar a prevalecer sobre o sol e o álcool fazer das suas. Pena quem de dia esquece quem de noite procura. Pena quem se deixa encontrar por quem não procurou em primeiro. Pena…

E assim se vive nestes tempos modernos. Habituados a ser segundos com o álcool a ajudar a esquecer não ser primeiras escolhas…
Sejam felizes.